quinta-feira, 1 de junho de 2017

Romantismo: Teatro Romântico e o Fim da Escravidão

Jean-Baptiste
By Jean-Baptiste


É sabido que o Romantismo, como escola literária, é dividido em três distintas gerações: nacionalista, ultrarromântica e condoreira. Nesta última, o teatro assume uma postura ainda mais revolucionária do que nas demais, pois, além de ir contra a maré social, ela também se contrapõe ao próprio movimento romântico em alguns aspectos: enquanto os nacionalistas apontavam para os índios e para os costumes burgueses a luz do holofote em seus romances, os condoreiros davam aos negros o protagonismo em suas peças como forma de militância antiescravista. Os negros também faziam parte da nossa história.

Mesmo que haja controvérsias sobre o posicionamento de José de Alencar em relação ao assunto, suas peças representam uma divisão significativa no teatro romântico, porque, antes delas, os negros conseguiam no máximo um papel secundário, e a escravidão nunca fora abertamente discutida com o público. As peças O Demônio Familiar e Mãe, de autoria de Alencar, ilustram o quão delicado era o assunto: o negro precisava passar comoção para ser reconhecido como ser humano. Com suas peças, Alencar buscou preparar a sociedade do século XIX para uma já esperada abolição a fim de minimizar a marginalização dos negros, que mesmo livres, poderiam retornar ao trabalho escravo por conta da estrutura social da época. E foi o que aconteceu. 

Depois de José de Alencar, vieram tantos outros como apologistas da ideia de fim da escravidão no país. E outra estratégia usada pelos românticos a fim de acabar de vez com a escravidão era afirmar que a sociedade da segunda metade do século XIX estava cometendo anacronismo ao manter costumes da colônia – ter negros como propriedade. 

O teatro romântico termina com Castro Alves com as peças Gonzaga e A Revolução de Minas, mas a temática vai além e alcança também o teatro realista. Além da grande contribuição do teatro romântico para a conscientização mais direta acerca dos cativeiros, outros fatores ajudaram para que, em 1888, enfim, fosse assinada pela princesa Isabel, sob regência do seu pai, D. Pedro II, a Leia Áurea, que dava aos negros a liberdade - e ao Brasil o vergonhoso status de um dos últimos países a abolir a escravidão no mundo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

FARIA, J. R. Teatro romântico e escravidão. Teresa: revista de literatura brasileira. n. 12/13 São Paulo: Universidade de São Paulo, 2013. Acesso em março de 2017.

MAGALHÃES, N. M. José de Alencar e Escravidão: suas peças teatrais e o pensamento sobre o processo abolicionista - 2015. Acesso em março de 2017.


Minhas Redes Sociais:

2 comentários

  1. Esse é o tipo de blog que nossa geração precisa: didático, inteligente e artístico!
    Obrigada por escrever! <3

    leticiaeostreze.blogspot.com.br

    ResponderExcluir