segunda-feira, 29 de maio de 2017

Resenha: o Que o Câncer me Ensinou (Sophie Sabbage)

o que o câncer me ensinou
O Que o Câncer Me Ensinou, Sophie Sabbage


Eu não tenho câncer. Eu nunca tive e, se depender da minha vontade, nunca terei, mas sei que as coisas não funcionam assim. Escrevo essa resenha fugindo um pouco da imparcialidade. Eu compactuo com a filosofia Till It Happens to You, que consiste em entender completamente apenas o que já foi vivenciado, e para mim isso é algo totalmente empático. Escrevo essa resenha avaliando o livro, mas também os fatores externos a ele - e espero que isso faça algum sentido e espero também que não pareça com um eufemismo para fins comerciais. 

A autora define o livro como uma "obra que é parte autobiográfica e parte autoajuda". Eu não tenho muito a dizer, senão que é um ótimo amparo para almas desamparadas. É muito óbvio qual seja o público ao qual o livro se endereça. No entanto, almas desamparadas de qualquer natureza pode aproveitar alguma coisa dos ensinamentos de Sophie. Não somos preparados para lidar com o pior. Sempre esperamos pelo melhor, ou pelo menos deveríamos, e é exatamente sobre isso que o livro é: se manter positivo, mesmo com seu o mundo prestes a desmoronar. 

Por mais que eu deteste autoajuda, no geral, o livro é bom. Com alguns vacilos na narrativa, mas ainda assim bom. Se eu tivesse câncer, eu compraria este livro e não me arrependeria de tê-lo comprado. Se eu tivesse um amigo com câncer, eu o recomendaria sem sombras de dúvidas. Mas como ele não foi escrito para mim - e para mim, eu me refiro ao público ao qual eu me insiro -, ele não é tão atraente. E isso sem considerar o fato dele ser um livro de autoajuda - um lance complicado de se engolir com naturalidade. Ele é completo, como um catálogo de deveres para suavizar a sua jornada rumo a cura do câncer, caso você tivesse um câncer. Contém alguns documentário, algumas informações sobre tratamentos alternativo, tratamentos convencionais, médicos e clinicas em diferentes partes do mundo. No geral, ele é bom, mas dá uma pecadinha na narrativa. Ele é um pouco previsível. Ele tem 220 páginas, folhas grossas, fonte comum, mas além do sumário, ele tem uma breve descrição dos capítulos, cujos nomes são autoexplicativos. Aí o livro que já não era tão atraente por não ser um livro destinado a você, se torna menos atraente ainda por jogar em sua cara o conteúdo do livro inteiro nas primeiras páginas.

E as coisas não são tão confusas quanto parecem: o livro é um livro de autoajuda, gênero do qual eu não sou muito fã; o livro foi escrito para um público do qual eu não faço parte; o livro tem alguns vacilos na narrativa; mas o livro não é ruim. Eu diria que ele cumpre com o que promete. Mesmo com os "problemas" citados, ele ainda é um livro que merece atenção de quem precisa de algo do tipo. E só.

Vale a pena ler? Se você tiver câncer, sim.
Editora: Sextante / Páginas: 220 /ISBN:978-85-431-0482-9
Nota: 3/5

Minhas Redes Sociais: 

Nenhum comentário

Postar um comentário