segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O Polêmico Cânone Literário

cânone literário
Imagem: Unknown


Para quem não leu a postagem sobre periodização literária, recomendo que a leia para que esta faça mais sentido. Dando continuidade ao assunto da outra postagem, falarei sobre o polêmico cânone literário - afinal, o que é o cânone literário?

Segundo Aline Ferreira Durães, o termo cânone deriva do grego kánon e diz respeito a uma regra, modelo ou norma representada por uma obra ou um poeta. Pode significar relação ou catálogo importante, definido por autoridade reconhecida. Assim, o cânone literário nada mais é do que uma seleção valorizada de livros.

Para simplificar o conceito dado, se recorde daquela lista de livros que seu professor de literatura julga importante a leitura em cada período literário estudado. Quando você pensa no romantismo brasileiro, por exemplo, é esperado que autores como Machado de Assis, José de Alencar e Castro Alves estejam na sua lista dos principais representantes dessa época. 

Tá, mas onde está o problema? Como eu disse na postagem sobre periodização literária, seria meio que impossível que um período literário abrangesse todo o seu momento histórico, por isso é comumente destacar apenas as ideias dominantes no momento histórico que ele está inserido.  O mesmo acontece com o cânone e se restringir apenas a ele é perder muita coisa que fez parte do seu momento - e por incrível que pareça, muitos alunos e professores cometem esse erro com muita frequência. 

Outros porquês mais polêmicos rondam o cânone literário, como a falta de representatividade na literatura por diversos motivos. Como nós sabemos, se, em pleno século XXI, ainda vivemos numa sociedade machista, racista, homofóbica etc, as coisas aparentavam ser bem piores em outros séculos, o que faz do cânone um tanto elitista, mais um motivo para não dar atenção apenas a ele. 

Para concluir, e não parecer contraditório, não vamos perder o foco aqui: é fundamental o conhecimento do cânone literário, mas não se limite apenas a ele. Conheça outros horizontes, outros viés. Leia o que você gosta, mas leia também o que você não gosta. Talvez você pense dessa forma porque não teve a oportunidade de conhecer outros pensamentos.

Minhas Redes Sociais:

2 comentários

  1. Oi, Lucas.
    Achei bem interessante, nunca tinha parado para pensar no Cânone, simplesmente "recebia" aquela lista da escola e "é, tem que ler mesmo". Agora parei para pensar em quantxs outrxs autorxes eu deixei de pesquisar, conhecer.

    Disse tudo: "leia o que você gosta, mas leia também o que você não gosta"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju khjgkjhg
      Pois é, eu acho que leitor de verdade tem que ler de tudo, nada vale ficar aprisionado na sua pequena bolha de leitura porque isso não adianta bulufas de nada. Arte é feita para provocar desconforto.

      Excluir