terça-feira, 5 de janeiro de 2016

O Lado Bom da Vida (Matthew Quick)

O Lado Bom da Vida

Comecei essa resenha na metade do livro para dizer que estou farto desse modelo americano de narração. Não sei de quem é a culpa, sei que o próximo livro que eu pegar e tiver Filadélfia, time de futebol americano ou um homem na sua meia-idade problemática o narrando, eu juro que atiro fogo.

A narração lembrou bastante o Como Falar Com Um Viúvo, mas de forma decadente, história diferente, o que me fez imaginar no motivo pelo qual minha coleguinha doou seu exemplar para a biblioteca do colégio alegando ter odiado tudo nele. Trágico!

O Lado Bom da Vida
Pat Peoples, um ex-professor com seus 30-e-tantos anos (35), corre atrás do prejuízo que o levou a uma instituição psiquiátrica, na qual ele perdeu sua memória devido aos horrores de remédios e ao pessimismo do lugar. 

Tudo o que ele sabe é que passou um tempo no "lugar ruim" e que está passando por maus bocados com a sua mulher. Agora que sua mãe conseguiu transferência de clinica, e que ele pode se tratar em casa, Pat luta para melhorar as coisas, como seu corpo, sua personalidade e seu modo de relacionar, tudo em prol do fim desse período ruim com Nikki.  

O Lado Bom da Vida
O Lado Bom da Vida
Quando terminei o livro, eu percebi que ele não era tão chato quanto parecia no inicio. Não mudei minha opinião sobre a narração. Horrível estar na pele de um trintão, fanático por futebol e que só dá rolê pela Filadélfia. ECA! Mas o que pude notar é que o livro tem uma mensagem maravilhosa e era exatamente isso o que eu precisava no momento. 

Não posso falar exatamente o que ele tem a passar, senão rola spoiler, mas vou tentar. Ok, vamos lá: desapega, porra! Supera isso. A vida anda pra frente. Phew! espero não ter sido tão agressivo com a explicação. 

Não sou fã de capas tiradas de filmes. Comprei recentemente o Cidades de Papel do John Green e me custou horas procurando ele com a capa clássica, aquela do alfinete vermelho em cima, sabe? Seria maravilhoso ter um livro com a Cara na capa, mas é que acho muito mais glamouroso ele na sua versão original. Mas, assim, quando vi a capa original de O Lado Bom da Vida eu preferi essa pretinha com a Jennifer Lawrence mesmo. Meu Deus, parece livro de autoajuda. 

Editora: Intrínseca / Páginas: 254/ ISBN: 978-85-8057-277-3

Um comentário

  1. O que uma grande história, mas eu acho que o filme me agradou mais. A história eu achei muito bom, bem executar um script, engraçado e inteligente. Abotoaduras entre Jennifer Lawrence e Bradley Cooper me espanta, posso dizer que é um dos melhores filmes dramáticos Cooper. Atuações ótimas até mesmo dos coadjuvantes Robert De Niro e Jacki Weaver estão ótimos. Uma ótima historia, madura, diferente de todas essas comedias dramáticas/românticas. Vale muito apena acompanhar.

    ResponderExcluir